Todo ponto de vista é apenas a vista de um determinado ponto.

terça-feira, 10 de março de 2009

Série Pritzker - 1979 Philip Johnson

Philip Johnson (1906-2005) antes de se tornar projetar seu primeiro edifício, ele foi cliente, critico, autor, historiador, diretor de museu, mas não arquiteto.
Em 1949, depois de ser o primeiro diretor do Departamento de Arquitetura do Museu de Arte Moderna, Johnson projetou uma residencia para si próprio como trabalho de conclusão do mestrado, a conhecida casa de vidro.
Foi ele que cunhou o termo "Escola Internacional de Arquitetura" para a exibição no MOMA.
Johnson projetou juntamente com Mies, o Seagram Building em Nova York, e mais tarde nos anos 50, projetou um dos edifícios mais controversos de sua carreira, a sede da AT&T também em Nova York.
É verdade que Philip Johnson não foi ponta em nenhum de seus envolvimentos com a arquitetura, mas independente do período, ele representou muito bem o que acreditava.

9 comentários:

luciano l. basso disse...

Pô gurizada, a miss Johnson merece mais do que essas linhas... complementem a informação... vamos lá... heheheheh

Vão deixar de falar da relação de amor e ódio dele com o Mies? E não vão contar que foi ele que indicou o projeto do Seagram pro Mies e que só assumiu o trabalho temporariamente pq o Mies foi impedido de trabalhar por falta de licença da prefeitura... mas que quando o Mies voltou brigou feio com o cara...

Pesquisem.... hehehehe

p.s.: nem preciso dizer que estou só tirando onda, ótima idéia essa séria-série... aguardo os próximos capítulos

Thiago Beck disse...

Luciano, assumo a falta de cuidado com o nosso amigo PJ, e me comprometo a engrossar o caldo no post dele!

Henrique Gonçalves disse...

valew pelo fumo Luciano!
Hoje mesmo na aula eu falei q o thiago precisava encorpar mais esse texto!
haehaeheahe

luciano l. basso disse...

tchê, não foi um fumo... sério.... quem sou eu pra dar fumo em alguém, ainda mais depois do post do quadro do niemeyer hehehehehe

Ricardo Rossin disse...

Sem contar que hoje, PJ faz vários trabalhos com Frank Ghery...seria uma regressão??

Henrique Gonçalves disse...

O cara conseguiu ser homossexual e membro do partido fascista ao mesmo tempo nos anos 30, isso pra mim já é uma façanha superior a qualquer Seagram! hehehe
Agora o lance do Frank Gehry, até o Johnson morrer, o Gehry era meio protegido dele mesmo. Dizem até as más linguas que o Pritzker do Gehry de 89 foi conquistado por força política do PJ, o que eu não duvido. O cara só tinha aqueles projetos sem repercussão até então, nem sonhava com o Guggenheim ainda!

Isabella disse...

td isso eh verdade, ou soh fofoca?
curiosa? maginaa...
Parabens pelo blog!

Henrique Gonçalves disse...

hahahahaha
A parte do Homossexualismo sim, ele e seu companheiro viveram juntos até sua morte, em 2005.
A parte da filiação ao partido fascista também, tanto que após o fim da 2° guerra, Johnson ficou com a imagem tão prejudicada que projetou gratuitamente um templo judaico Nova York, como forma de arrependimento.

Sobre Gehry nós estamos brincando em cima de fatos, porque tanto a inserção desse arquiteto na famosa exposição "Desconstructivism" no MOMA quanto seu Pritzker tiveram dedo do Johnson. Portanto somos levados a crer que existia alguma empatia! hehehe

Com certeza a história do PJ é a biografia de arquiteto mais divertida do sec. XX !

Henrique Gonçalves disse...

E ah, obrigado pelos elogios!
Continue "observando" hehe