Todo ponto de vista é apenas a vista de um determinado ponto.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Último Trabalho do Período - História da Arquitetura IV

Desculpem o senso de humor em algumas passagens do projeto, é que na verdade, como combinado com a professora, esse trabalho seria um pouco mais livre.










Na correria total, infelizmente, mas com um resultado no mínimo interessante.

História da Arquitetura IV – Trabalho Final

Prof: Patrícia Tomé

Alunos: Vania Dias, Thiago Beck, Suelen Menezes e Henrique Gonçalves

Partindo da Premissa de “como um arquiteto modernista remodelaria o centro urbano de Juiz de Fora nos dias de hoje”, pensou-se primeiramente no principal problema enfrentado hoje pela cidade: o inevitável Caos no Trânsito.

E, ao estudarmos as possíveis soluções, ficou clara a questão da falta de espaço na superfície do centro e, do transtorno gerado por uma possível intervenção mais radical.

Seguindo essa linha de raciocínio, escolhemos como solução o metrô subterrâneo, com um possível percurso que abrange todo o perímetro do centro, com possibilidade de ligá-lo aos subúrbios da cidade.


Os espaços desapropriados seguiram a lógica da filosofia modernista: primeiramente os espaços já desponíveis e, como uma segunda opção, a Catedral Metropolitana e o Banco HSBC.


Essa radicalidade se dá pelo fato dos modernistas mais ferrenhos seguirem a doutrina socialista, onde o capitalismo era considerado a desgraça do mundo e a religião o ópio do povo.


Como marco desse novo momento urbano de Juiz de Fora, se pensou em uma grande marquise de entrada para o metrô capaz de exigir o máximo da técnica do concreto armado e de criar um elemento de facil visibilidade, reconhecimento e conforto para com os usuários.

Uma grande placa de concreto, através de seu próprio peso e do ângulo de inclinação, gera um momento com a marquise, ambas se equilibrando mutuamente através da transferência de forças feita pelos cabos de aço tensionados.

vista da entrada de metrô no Parque Halfeld

vista da entrada de metrô na praça Antonio Carlos


vista da entrada de metrô no eixo da Catedral



ps.: sentiram o Calatrava do último post sendo aplicado, hein? hein? hein?



5 comentários:

dE sOmBrErOs lOcOs disse...

muy bueno tu blog.... yo vi de pasada y esta re bueno

un saludo de chile

xauxau...

Guilherme disse...

toda marquise pequena me lembra o paulo mendes da rocha da praça do patriarca!

Henrique Gonçalves disse...

Mas, foi intencional, assim como meu pavilhão sérvio é uma homenagem à sua loja Forma.

Além do que, é um trabalho sobre modernistas, que bom que enxergou a referencia!

=)

Ayesha Luciano disse...

Muito legal seu trabalho! Não deu pra falar na faculdade, mas mandou bem!
Ah, vou postar os croquis do meu trabalho também! Dá uma olhada depois...

Anônimo disse...

Muito bom, mas que coisa né parece que brasileiro gosta memso e de concreto!!

valeu, bom trabalho!